685
Views
Open Access Peer-Reviewed
Artigo Original

Aspectos fonoaudiológicos e qualidade de vida na Doença de Parkinson: estudos de casos

Speech therapy aspects and quality of life in Parkinson's disease: case reports

Gabriela Ribeiro Schillinga; Arlete Hilbigb; Maria Cristina Cardosoc

RESUMO

OBJETIVO: Estabelecer o perfil fonoaudiológico dos sujeitos portadores da doença de Parkinson (DP) e correlacioná-los à qualidade de vida.
MéTODO: Estudos de casos transversal descritivo e quantitativo. Foram selecionados pacientes com diagnóstico clínico de DP provável e utilizados os seguintes instrumentos: Miniexame do Estado Mental (MEEM), avaliação fonoaudiológica e Parkinson's Disease Questionnaire.
RESULTADOS: Participaram deste estudo 12 indivíduos (4 homens e 8 mulheres) com idade média de 62,25 ± 10,28 anos e tempo médio de diagnóstico de DP de 5,2 ± 3,54 anos. O estágio da doença, segundo a escala de Hoehn e Yahr, variou entre 2 e 3. Os participantes apresentaram, em média, 23,83 ± 4,75 pontos no MEEM, com tempo médio de instrução formal de 4,25 ± 3,44 anos. Houve alteração dos tempos máximos fonatórios, respiração, voz, olfato, articulação e deglutição. A pior percepção de qualidade vida dos participantes foi observada nas categorias de desconforto corporal, atividade de vida diária e mobilidade. Os escores dessas categorias elevam-se conforme o aumento da incapacidade verificado no estágio da doença, assim como as categorias de cognição, bem-estar emocional e comunicação. Todos os participantes com alteração na articulação à avaliação fonoaudiológica pontuaram na categoria "comunicação".
CONCLUSÃO: Neste estudo, as alterações fonoaudiológicas que se destacaram nos portadores da DP envolvem aspectos de voz, respiração, deglutição, olfato e disartria, aos quais atribui-se interferência na qualidade de vida. O tremor de mandíbula, também, apresenta possível reflexo na qualidade vida dos portadores da doença, sobretudo nos aspectos de comunicação.

Palavras-chave: Doença de Parkinson. Qualidade de Vida. Fonoaudiologia.

ABSTRACT

OBJECTIVE: Determining the profile of speech therapy of Parkinson's Disease patients and correlate them to the quality of life.
METHOD: A descriptive cross-sectional case studies and quantitative. We selected patients with a clinical diagnosis of Parkinson's Disease and likely used the following instruments: Mini-Mental State Examination, speech therapy evaluation and Parkinson's Disease Questionnaire.
RESULTS: The study included 12 participants (4 men and 8 women) with a mean age of 62.25 ± 10.28 years and with a mean time of diagnosis of Parkinson's Disease 5.2 ± 3.54 years. The disease stage, according to Hoehn and Yahr scale, ranged between 2 and 3. Participants had, on average, 23.83 ± 4.75 points on the Mini-Mental State Examination, with mean formal instruction of 4.25 ± 3.44 years. There was a change of maximum phonation time, breath, voice, smell, articulation and swallowing. The worst perception of quality of life participants was observed in the categories bodily discomfort, activity of daily living and mobility. The scores of these categories rise when increasing inability of the subject seen in the stage of the disease, as well as the categories of cognition, emotional well-being and communication. All participants with abnormal articulation in the speech evaluation scored in the category "communication".
CONCLUSION: The speech pathology, in this study, was highlighted in patients with Parkinson's disease involve aspects of voice, breathing, swallowing, smell and dysarthria which infer interference with quality of life. The trembling mandible, also presents possible effect on quality of life of patients with the disease, especially in communication.

Keywords: Parkinson's disease. Quality of life. Speech Therapy.

INTRODUÇÃO

A doença de Parkinson (DP) é definida como uma doença crônica progressiva neurodegenerativa, na qual existe a disfunção dos gânglios da base por diminuição da dopamina ao nível do estriado em função da degeneração do sistema dopaminérgico nigroestriatal, causando a desinibição do núcleo subtalâmico e do globo pálido.1-3 A característica patológica da DP é a presença de corpos de Lewy, ou seja, inclusões proteináceas citoplasmáticas eosinofílicas (principalmente alfa-sinucleína), sobretudo nos neurônios da camada ventral da parte da substância negra e no locus ceruleus.3

A DP tem, na maioria dos casos, um início insidioso.2 Estima-se uma variação da prevalência da doença de 50 a 260 casos a cada 100 mil indivíduos na população geral, que aumenta com a idade, chegando a 550 casos por 100 mil habitantes na idade de 70 anos, sendo mais comum em homens.3,4

Os sintomas predominantes na DP são motores, iniciando de forma unilateral e tornando-se bilaterais com a progressão da doença.2,3 Entre os sintomas motores, destacam-se bradicinesia, hipocinesia, tremor de repouso e rigidez muscular do tipo plástica. Também são frequentes a postura corporal flexionada, perda dos reflexos posturais, distúrbios de equilíbrio e freezing (ou fenômeno de congelamento).1-3,5

Em geral, o tremor é o primeiro sintoma a ser detectado, de repouso, presente nas extremidades e desaparecendo com uma ação. A rigidez é definida como o aumento do tônus muscular e é evidenciada pela resistência aumentada ao movimento passivo. A bradicinesia é caracterizada pela lentidão e redução da amplitude dos movimentos e dificuldade de iniciar a movimentação.3 Esses são alguns dos sinais da DP3 que interferem nos aspectos fonoaudiológicos.

Nessa doença, há alteração dos aspectos fonoaudiológicos referentes à motricidade das estruturas e funções relacionadas à fala, mastigação, deglutição, respiração, fonação e execução da linguagem escrita. Os portadores da DP, em geral, apresentam dificuldades de deglutição, hiponimia, disartria, alterações de voz (hipofonia) e de escrita (micrografia).3,5,6 É comum que esses sujeitos apresentem tremor de repouso nos lábios, na língua e na mandíbula, sendo essas estruturas importantes na realização das diferentes funções orofaciais.3

A disfagia pode ser definida como um sintoma relacionado com qualquer alteração no ato de engolir que dificulte ou impeça a ingestão oral segura, eficiente e confortável.7 Os distúrbios de deglutição na DP estão presentes nas fases preparatória, oral, faríngea e esofágica.8,9 Portadores de DP apresentam dificuldade em realizar, de forma rápida e coordenada, a movimentação necessária para deglutir, o que gera transtornos no gerenciamento dos alimentos, pois o distúrbio de coordenação dos movimentos e a rigidez dos músculos faciais ocasionam dificuldades de mastigação, comprometendo a deglutição por aumentar a possibilidade de escape prematuro do alimento e engasgos.6

Alguns dos sinais indicativos de disfagia na fase oral na DP são escape de alimento pela comissura labial, dificuldades mastigatórias causadas por tremores nos órgãos fonoarticulatórios, alteração na formação do bolo alimentar e alteração na movimentação de língua, dificultando a propulsão do bolo.8,9 Esses sinais podem causar atraso no início da fase faríngea, com estase de alimentos em valécula e recessos piriformes, gerando risco de aspiração ou penetração laríngea.8,9

Tosse ou engasgo podem ocorrer. Entretanto, o portador de DP pode também apresentar aspiração silente e alteração da peristalse do trato gastrintestinal, que pode causar aumento do trânsito esofágico, gerando sensação de alimento parado na garganta (presença de globus faríngeo).8,9

Associada aos sinais clínicos da DP, tem-se a dificuldade de suporte respiratório, gerada pela incapacidade de controle adequado dos músculos respiratórios, o que causa diminuição de loudness, encurtamento de frases, fala apressada e interrupções abruptas.5,10 A alteração vocal é outro sinal comum na DP. Com frequência, os portadores da doença apresentam voz monótona e alterações da qualidade vocal, evidenciada pela rouquidão e soprosidade. Outro sinal vocal encontrado é a hipofonia, isto é, redução da intensidade, que está associada às alterações das pregas vocais como fendas glóticas.2,10

A disfunção olfatória é um dos sinais prevalentes na DP. Estudos11,12 já demonstraram que os portadores de DP apresentam déficits olfativos quando comparados aos indivíduos de mesma idade e gênero, mas sem a doença.

Muitas características da DP podem refletir em alterações na qualidade de vida de seus portadores. Os aspectos motores como tremor, bradicinesia e hipocinesia podem interferir na capacidade comunicativa dos indivíduos.3 Os distúrbios de deglutição presentes na DP podem gerar constrangimentos aos portadores no momento da alimentação, dificultando a capacidade de convívio em sociedade, gerando prejuízos psicológicos.9 Outro fator que pode acarretar mudanças na qualidade de vida do portador de DP é a alteração do olfato, pois este influencia no sabor dos alimentos e bebidas, além de servir de proteção contra substâncias perigosas.13

O conceito de qualidade de vida é muito amplo e debatido entre estudiosos. Um dos conceitos aceitos engloba, de forma complexa, a saúde física, o estado psicológico, o nível de independência, as relações sociais, as crenças pessoais e a relação com aspectos significativos do meio ambiente.14,15 Considerando esse conceito, em 1995, o grupo World Health Organization Quality of Life (WHOQOL) definiu a qualidade de vida como "a percepção do indivíduo de sua posição na vida, no contexto de sua cultura e no sistema de valores em que vive e em relação a suas expectativas, seus padrões e suas preocupações".14,15

Estudos sobre qualidade de vida na DP que utilizaram o Parkinson's Disease Questionnaire (PDQ-39)16 mostraram que, com a evolução da DP, as dimensões de mobilidade, atividade de vida diária e cognição podem apresentar alteração; portanto, tais aspectos pioram com o avanço da doença.16-18

O objetivo deste estudo é estabelecer o perfil fonoaudiológico dos portadores de DP atendidos no ambulatório de neurologia de um hospital de Porto Alegre e correlacioná-lo a aspectos de qualidade de vida.

 

METODOLOGIA

Trata-se de um estudo de casos transversal, descritivo e quantitativo, aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) sob o parecer número 332243.

Foram analisados os dados de 30 portadores de DP atendidos no Ambulatório de Distúrbios do Movimento de Neurologia e Fonoaudiologia de um hospital da cidade de Porto Alegre (RS) e excluídos 18 sujeitos com quadros demenciais não associados a essa doença e/ou que não completaram a bateria de avaliações.

Os 12 participantes selecionados para o estudo, ao concordarem com a participação, assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, no qual estão relatadas as informações referentes aos objetivos da pesquisa, aos procedimentos que foram realizados e às garantias do estudo. Todos os participantes tiveram seus direitos garantidos e sua privacidade preservada, participando de forma voluntária deste estudo. Todos foram informados quanto aos objetivos, métodos, afiliações institucionais do pesquisador e os benefícios do estudo.

Após a assinatura do termo, os participantes foram submetidos à triagem, com objetivo da obtenção de dados referentes à sua identificação, ao tempo do diagnóstico, ao resultado do MEEM19 e ao estadiamento da doença, compreendidos nos prontuários médicos do ambulatório de distúrbios do movimento.

O estágio da doença foi determinado pela equipe de neurologistas do hospital, de acordo com a Escala de Estágios de Incapacidade de Hoehn e Yahr.21 Essa escala avalia a incapacidade dos portadores de DP,18,21 indicando o estado geral de forma rápida e prática.22 Sua forma modificada inclui medidas globais de sinais e sintomas que permitem classificar o sujeito quanto ao nível de incapacidade.20-22

Os estágios de classificação compreendem:22 nenhum sinal da doença (0); doença unilateral (1); envolvimento unilateral e axial (1,5); doença bilateral sem déficit de equilíbrio (2); doença bilateral leve, com recuperação no pull test (2,5); doença bilateral leve a moderada, alguma instabilidade postural, capacidade para viver independente (3); incapacidade grave, ainda capaz de caminhar ou permanecer de pé sem ajuda (4); e confinado à cama ou cadeira de rodas, a não ser que receba ajuda (5).

O MEEM foi utilizado como critério de inclusão neste estudo e aplicado junto aos participantes que ainda não haviam sido submetidos a tal avaliação. Tal protocolo é um instrumento de rastreio de comprometimento cognitivo.23 e tem sido empregado em pesquisas e em ambientes clínicos, integrando uma série de baterias neuropsicológicas.23 Tal instrumento é composto por questões divididas em sete categorias:24 orientação para tempo (cinco pontos), orientação para local (cinco pontos), registro de três palavras (três pontos), atenção e cálculo (cinco pontos), lembrança das três palavras (três pontos), linguagem (oito pontos), e capacidade construtiva visual (um ponto).

O escore do MEEM pode variar de 0 até um total de 30 pontos24 e foi adaptado de acordo com os anos de instrução formal de cada participante, isto é, 13 pontos para analfabetos, 18 para baixa e média escolaridade (entre 1 e 8 anos incompletos de estudo) e 26 para alta escolaridade (8 anos de estudo ou mais).25 Esses valores têm sido questionados quanto a sua sensibilidade e especificidade para a população de idosos no Brasil, e, para o presente estudo, foram considerados os seguintes valores: 18/19 pontos para analfabetos e 24/25 para participantes com instrução escolar.23 Após essa etapa, os participantes foram submetidos à avaliação fonoaudiológica conforme a proposta de Palermo et al. (2009)5 e avaliados em relação a características vocais, fala, respiração, deglutição, articulação, olfato e higiene oral, verificando as estruturas e funções orofaciais e sensibilidade de língua e lábios.

As características vocais englobaram os tempos máximos fonatórios (TMF) e a análise vocal (qualidade vocal, emissão, ataque vocal, pitch e loudness) realizados por meio da avaliação perceptivo-auditiva a partir das gravações das vozes dos participantes. A avaliação da respiração envolveu o estabelecimento do ritmo, intensidade, tipo respiratório e ciclos respiratórios por minuto (marcado com utilização de um cronômetro digital), considerando-se a frequência respiratória normal como 12 a 20 ciclos por minuto.5,26 O tipo respiratório foi classificado em abdominal, misto, torácico ou clavicular.

A presença ou ausência de tremor de língua, tremor de mandíbula, articulação, ritmo de fala, estruturas orofaciais (palato duro e mole, articulação temporomandibular e arcada dentária), mobilidade dos órgãos fonoarticulatórios e higiene oral foram avaliados de maneira qualitativa.

A mastigação foi avaliada quanto à presença de lateralização de alimentos na consistência sólida e de movimentos rotatórios de língua e mandíbula. A sucção, pelo estabelecimento da pressão intraoral, coordenação entre sucção/deglutição e selamento labial durante a deglutição de líquidos. A deglutição dos participantes foi avaliada por meio da presença ou ausência dos reflexos protetivos (tosse voluntária e pigarreio), de cliques da deglutição (avaliado pela ausculta cervical), salivação, xerostomia, tosse, globus faríngeo ou algia. Também foram verificadas as consistências ingeridas, se houve alguma modificação ou retirada de algum alimento nos últimos tempos.

Os critérios utilizados para classificação da disfagia foram presença de tosse após a ingestão de alimentos, alteração do movimento rotatório de mandíbula durante a mastigação, ausência de vedamento labial no sorver de líquidos e alteração das consistências ingeridas ou atraso na ejeção do bolo alimentar.

A sensibilidade da língua e dos lábios foi testada a partir do toque com dedo enluvado nessas regiões, com solicitação do fechamento dos olhos dos participantes, sendo que eles deveriam identificar a presença ou ausência dos toques e nomear sua localização.

O olfato foi avaliado por meio da apresentação de quatro odores (canela, orégano, fumo e café). Eram apresentados na mesma ordem a todos os participantes, que deveriam expressar se estavam sentindo tal odor e identificá-lo. A classificação utilizada foi: normal nos participantes que identificaram de três a quatro odores; hisposmia nos participantes que identificaram um ou dois odores; anosmia em participantes que não reconheceram nenhum odor; e parosmia naqueles que apresentaram distorção de olfato.5

A avaliação da articulação dos participantes se deu pela observação da fala e classificada em precisa ou imprecisa e inteligível ou ininteligível.

Para a classificação dos participantes em disartria foram avaliados os seguintes critérios: presença de alteração na qualidade vocal, respiração e articulação, conforme sugere Fracassi et al. (2011).26

A qualidade de vida dos participantes foi analisada por meio do PDQ-39.16 Esse protocolo é composto por 39 questões que avaliam a percepção da qualidade de vida do sujeito no último mês.18,27 Tais questões abrangem aspectos de mobilidade (10 itens), atividades de vida diária (AVD) a partir de seis itens, bem-estar emocional (seis itens), suporte social (três itens), desconforto corporal (três itens), estigma (quatro itens), cognição (quatro itens) e comunicação (três itens).18,27 Cada um desses aspectos pode ser classificado de acordo com a frequência com que ocorre, variando a pontuação de zero a quatro. A pontuação total é de 0 a 100 pontos: quanto menor escore, maior a qualidade de vida.18 A aplicação desse questionário foi realizada na forma de entrevista, visando a melhor compreensão das questões por parte dos participantes.

Os dados das avaliações dos participantes foram cruzados entre si, aplicando-se métodos descritivos (tabelas) e testes estatísticos. As variáveis qualitativas foram apresentadas em forma de frequência e percentual (considerando-se a média da pontuação dos participantes da amostra, estimou-se que indivíduos com pontuação geral no PDQ-39 maior ou igual a 40,49 pontos, e superior ou igual a 27,08 pontos na categoria "comunicação", apresentaram pior percepção da qualidade de vida).

Para verificar as associações entre essas variáveis, foi utilizado o teste qui-quadrado de Pearson e, quando necessário, o teste exato de Fisher, com o recurso complementar da análise de resíduos padronizados ajustados para identificar a localização das associações ao nível de significância de 5%. Nenhuma das análises realizadas apresentou associação significativa.

 

RESULTADOS

Participaram deste estudo 12 indivíduos (4 homens e 8 mulheres) com idade média de 62,25 ± 10,28 anos, variando entre 39 e 75 anos. Os participantes apresentaram tempo médio de diagnóstico de DP 5,2 ± 3,54 anos, variando entre um e 13 anos de evolução. Entre os indivíduos avaliados, sete encontravam-se no estágio 2 da escala de Hoehn e Yahr; um no estágio 2,5; e quatro no estágio 3 da escala.

Considerando os valores originais do MEEM, os participantes apresentaram, em média, 23,83 ± 4,75 pontos, com tempo médio de instrução de 4,25 ± 3,44 anos.

Na avaliação dos aspectos vocais, foram encontrados os seguintes resultados: TMF dos participantes com média de 6 ± 3,70 segundos, variando entre 0,6 e 19,7 segundos; contagem de números de 1 a 10, apresentando média de 6,35 ± 3,13 segundos; e média de 1,11 na relação S/Z. Todos os participantes apresentaram pitch adequado ao seu gênero. A distribuição desses resultados quanto aos aspectos de qualidade vocal, ataque vocal e loudness são mostrados na Tabela 1.

 

 

A respiração apresentou-se coordenada em todos os participantes, com frequência respiratória média de 21,5 ± 3,71 ciclos por minuto, apresentando-se com ritmo adequado em nove participantes e com intensidade fraca em cinco. O tipo respiratório predominante nos participantes foi misto. A distribuição desses dados pode ser visualizada na Tabela 2. O ritmo de fala foi adequado em três participantes e lentificado em nove.

 

 

Em relação ao olfato, três participantes foram classificados com hisposmia, sete com anosmia e dois com parosmia. Tais dados estão dispostos na Tabela 3.

 

 

A higiene oral encontrou-se adequada em sete participantes e ineficiente nos demais. Foram identificados oito participantes com palato duro normal, três com tipo ogival e um com tipo atrésico. Já o palato mole mostrouse normal em sete participantes e parético em cinco.

Mastigação, coordenação entre sucção e deglutição, sensibilidade de língua, elevação de base de língua e reflexos protetivos de tosse e pigarreio estiveram presentes em todos os participantes do estudo. O tremor de língua esteve presente em 10 participantes e o tremor de mandíbula, em sete. Salivação adequada foi identificada em 10 participantes; o sialismo (abundância de salivação) esteve presente em dois deles. A sensibilidade dos lábios e o movimento rotatório de mandíbula mostraram-se alterados em um sujeito.

Apenas um participante apresentou alteração para com as consistências ingeridas, apresentando dificuldade na alimentação com sólidos, diminuindo a ingestão de alimentos em tal consistência na sua dieta diária. Os demais participantes ingeriam os três tipos de consistências. Quatro participantes apresentaram transtorno da deglutição.

Observou-se imprecisão articulatória em oito participantes, não relacionada aos estágios da DP (Tabela 3). Associando esse dado aos de respiração e voz, tem-se a classificação de seis participantes com quadros de disartria.

Os resultados do PDQ-39 estão expostos na Tabela 4, na qual se têm os escores médios, mínimos, máximos, desvio-padrão de cada categoria e do total. Todos os participantes apresentaram pontuação nos aspectos de mobilidade, AVD e desconforto corporal. Na categoria "desconforto corporal", um participante apresentou pontuação máxima para o item; na categoria "comunicação", que engloba aspectos de fala e interação com os outros, todos os participantes com alteração articulatória pontuaram (Tabela 3).

 

 

Em referência à escrita (dado de questão componente do PDQ-39), sete participantes apresentaram a pontuação máxima, ou seja, sempre têm dificuldade na sua execução.

A correlação entre a pontuação geral do PDQ-39, a categoria "comunicação", os itens da avaliação fonoaudiológica, o tipo de alteração de olfato (hisposmia, anosmia ou parosmia), o gênero e o estágio da DP podem ser visualizados na Tabela 5. A presença de tremor de mandíbula mostrou uma tendência de associação com a alteração do escore de "comunicação" do PDQ-39.

 

 

DISCUSSÃO

Sabe-se que, com a evolução da idade, há um aumento da prevalência da DP.4 Em relação à idade média dos portadores de DP, os achados do estudo corroboram com trabalhos científicos já realizados,9,11,17 sendo a média de idade e o desvio-padrão dos idosos deste estudo de 62,25 ± 10,28 anos.

A maioria dos participantes do estudo encontrava-se no nível 2 da escala de Hoehn e Yahr,21 ou seja, apresentando a doença bilateralmente e sem déficit de equilíbrio. Na literatura, os estudos que utilizam essa escala variam em relação à metodologia aplicada, tendo-se estudos que a utilizam como critério de inclusão,5,6 para estabalecer grupos13,18 ou subgrupos.17

As alterações vocais podem estar presentes desde os estágios iniciais da DP, apresentando alterações na sua qualidade, na diminuição da intensidade e dos TMF, como foi evidenciado neste estudo.28 Em relação à avaliação da qualidade vocal, 75% dos participantes apresentaram alteração, com qualidade vocal rouca em dois participantes, soprosidade em quatro e um participante com ambas, concordando com o encontrado na literatura. Evidenciouse presença de voz rouca em 81% dos participantes com DP,5 assim como a qualidade vocal soprosa.10

A média e o desvio-padrão da frequência respiratória apresentada pelos participantes desse estudo (21,5 ± 3,71 ciclos/min) tiveram valores similares ao estudo desenvolvido por Parreira et al. (2003),29 envolvendo portadores de DP. Esses resultados evidenciam ciclos respiratórios reduzidos, podendo-se vincular tal limitação aos seguintes fatores: bradicinesia, rigidez, alterações posturais, anormalidades da musculatura laríngea e fraqueza da musculatura respiratória, como afirma Ferreira et al. (2011),28 ao mesmo tempo em que assegura que a fraqueza da musculatura respiratória pode gerar diminuição do suporte respiratório e, por consequência, da intensidade vocal e dos TMF.

A alteração de olfato é um sintoma prevalente, embora pouco relatado ou notado pelos sujeitos.11,13 A alteração da função olfatória pode influenciar na qualidade de vida, uma vez que o olfato influencia no sabor dos alimentos e bebidas, servindo de proteção contra substâncias perigosas.13 A hisposmia pode anteceder os sinais motores da DP.11

Neste estudo, foram encontrados sete (58,3%) participantes com anosmia, sendo esse índice menor que o achado de Palermo et al. (2009),5 de 93% (com anosmia), e diferente dos dados de outro estudo,11 no qual dois apresentaram tal padrão olfatório.

Estudos mostram que o número geral de acertos dos odores entre os portadores de DP é significativamente menor quando comparado aos controles normais.11,13 A alta prevalência de disfunção do olfato presente na DP pode colaborar com o diagnóstico diferencial dessa doença e como ferramenta de diagnóstico precoce da DP.11

Neste estudo, todos os participantes apresentaram alteração do olfato. Ao correlacionar a disfagia com as alterações de olfato, dois sujeitos apresentaram anosmia, um apresentou parosmia e outro, hisposmia. Os quatro participantes com alteração olfatória e com transtorno de deglutição encontramse classificados em nível 2 na escala de incapacidade da DP. Os dados encontrados na literatura não referenciam os distúrbios olfatórios à disfagia especificamente junto à DP.

Em relação aos reflexos protetivos (tosse voluntária e pigarreio), os resultados encontrados neste estudo concordam com o estudo de Palermo et al. (2009),5 no qual todos os participantes apresentaram presença de pigarreio e 96% evidenciaram presença de tosse voluntária.

Na literatura, encontram-se como sinais de alterações de deglutição na DP os seguintes critérios: fechamento incompleto dos lábios e escape de saliva, diminuição do reflexo da deglutição, possível acúmulo de saliva em cavidade oral, perda prematura de alimento, estase em recessos faríngeos e penetração laríngea antes da deglutição.6 Alguns desses sinais puderam ser percebidos nos participantes deste estudo.

A rigidez dos músculos faciais pode comprometer a mastigação, gerando dificuldades na formação de um bolo coeso para ser deglutido durante o disparo do reflexo, originando resíduos em região posterior de cavidade oral, aumentando a possibilidade de escape prematuro de alimento e provocando engasgos.6

A disartria hipocinética, que é característica da DP, gera disfunção laríngea que pode ser observada já nos estágios iniciais da doença.26 Em estudo realizado com portadores de DP,26 esse distúrbio aparece com fonação caracterizada por diminuição do tempo máximo de fonação (66,7%) e reduzida intensidade vocal (61,9%). A alteração da qualidade vocal (soprosidade e rouquidão) e o padrão articulatório impreciso também são relatados como característicos desse tipo de disartria.10 O padrão articulatório impreciso, visto em oito participantes deste estudo, pode ser relacionado à hipocinesia, imprecisão do ponto de articulação, ausência de estreitamento adequado do trato vocal, incoordenação dos músculos articulatórios e redução da abertura vertical da boca, como o encontrado em Dias et al. (2011).10

A pontuação geral e de algumas categorias (cognição e desconforto corporal) do PDQ-39, neste estudo, apresentaram valores diferentes dos encontrados em estudos anteriores,17,18,27,30 o que pode ser relacionado ao pequeno número de participantes.

As categorias AVD, estigma, suporte social e bem-estar emocional apresentaram valores próximos aos encontrados em estudo de Navarro-Peternella e Marcon (2012),17 que classificaram a pontuação dos participantes entre os gêneros e o grau de acometimento da DP e, assim como no presente estudo, não encontraram relação significativa entre o grau de acometimento da doença e os valores do PDQ-39.

A pior percepção de qualidade vida dos participantes deste estudo foi observada nas categorias de desconforto corporal, AVD e mobilidade, sendo que as duas últimas categorias também apresentaram pior percepção de qualidade de vida no estudo de Lana et al. (2007).30 Estudos sobre qualidade de vida na DP, que utilizaram o PDQ- 39,14 mostraram que, com a evolução da doença, as dimensões de mobilidade, AVD e cognição apresentam-se alteradas, sugerindo, assim, que esses aspectos pioram com o avanço da doença.16-18 No presente estudo, essas três categorias apresentaram aumento do escore com o aumento do grau de estadiamento da DP, assim como as categorias de bem-estar emocional, comunicação e desconforto corporal também apresentaram tal acréscimo no escore, embora sem diferença estatística (Tabela 5).

A tendência de associação entre o tremor de mandíbula e o escore de "comunicação" do PDQ-39 pode ser justificada por ser uma estrutura importante na realização das diferentes funções orofaciais e o tremor ser o primeiro sintoma observado.3

Cabe salientar que as características da amostra do estudo podem estar limitadas em função do seu tamanho e que mais estudos devem ser realizados correlacionando as alterações dos aspectos fonoaudiológicos às alterações da qualidade de vida e do nível de incapacidade dos portadores da DP, de forma a promover generalizações pertinentes. Os resultados encontrados neste estudo podem ampliar as possibilidades de diagnóstico e intervenção precoce da DP, sabendo-se que a identificação precoce pode imprimir uma qualidade de vida favorável aos seus portadores.

 

CONCLUSÃO

A partir deste estudo, pode-se relatar que foi observado comprometimento dos aspectos de qualidade vocal, respiração, deglutição, olfato e a presença de disartria, aos quais atribui-se interferência na qualidade de vida dos participantes. Salienta-se, também, que o tremor de mandíbula apresenta possível reflexo na qualidade vida dos portadores de DP, sobretudo nos aspectos de comunicação.

 

CONFLITO DE INTERESSE

Os autores deste trabalho não apresentam potenciais conflitos de interesse.

 

REFERÊNCIAS

1. World Health Organization. Neurological Disorders: public health challenges. Genebra, Suíça: WHO Library Cataloguing-in-Publication Data; 2006:140-9.

2. Guimarães J, Alegria P. O Parkinsonismo. Med Int. 2004;11(2):109-14.

3. Fahn S, Przedborski S. Parkinsonismo. In: Rowland LP. Tratado de Neurologia. 11.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2007. p. 768-84.

4. Barbosa MT, Caramelli P, Maia DP, Cunningham MCQ, Guerra HL, Lima-Costa MF, et al. Parkinsonism and Parkinson's disease in the elderly: a community-based survey in Brazil (the Bambui study). Mov. Disord. 2006;21(6):800-8.

5. Palermo S, Bastos ICC, Mendes MFX, Tavares EF, dos Santos DCL, Ribeiro AFC. Avaliação e intervenção fonoaudiológica na doença de Parkinson. Análise clínica-epidemiológica de 32 pacientes. Rev Bras Neurol. 2009 Oct-Dec;45(4):17-24.

6. Gasparim AZ, Jurkiewicz AL, Marques JM, Santos RS, Marcelino PCO, Herrero-Junior F. Deglutição e tosse nos diferentes graus da doença de Parkinson. Arq Int Otorrinolaringol. 2011;15(2):181-8.

7. Alves NSG. O fundamental da avaliação fonoaudiológica do paciente disfágico. In: Costa M, Castro LP. Tópicos em deglutição e disfagia. Rio de Janeiro: Medsi; 2003. p. 9-18.

8. Angelis EC, Portas JG. Doença de Parkinson. In: Jotz GP, Angelis EC, Barros APB. Tratado de deglutição e disfagia no adulto e na criança. Rio de Janeiro: Revinter; 2010. p. 274-7.

9. Gazzoni J, Pedroso KCD, Grolli EB. Avaliação fonoaudiológica funcional em pacientes portadores de doença de Parkinson. Rev CEFAC. 2003;5:223-6.

10. Dias AE, Chien HF, Barbosa ER. O método Lee Silverman para reabilitação da fala na doença de Parkinson. Rev Neurocienc. 2011;19(3):551-7.

11. Quagliato LB, Viana MA, Quagliato EMAB, Simis S. Alterações do olfato na doença de Parkinson. Arq Neuropsiquiatr. 2007;65(3-A):647-52.

12. Silva Netto CR. Olfato. In: Silva Netto CR. Paladar: gosto, olfato, tato e temperatura: fisiologia e fisiopatologia. Ribeirão Preto: FUNPEC; 2007. p. 199-295.

13. Santin R, Fonseca VF, Bleil CB, Rieder CRM, Hilbig A. Olfactory function and Parkinson's disease in Southern Brazil. Arq Neuropsiquiatr. 2010;68(2):252-7.

14. Fleck MPA. Problemas conceituais em qualidade de vida. In: Fleck MPA et. al. A avaliação de qualidade de vida: guia para profissionais da saúde. Porto Alegre: Artmed; 2008. p. 1-28.

15. Fleck MPA. O instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-100): características e perspectivas. Ciênc Saúde Coletiva. 2000;5(1):33-8.

16. Peto V, Jenkinson C, Fitzpatrick R. PDQ-39: a review of the development, validation and application of a Parkinson's disease quality of life questionnaire and its associated measures. J Neurol. 1998 May;245 Suppl 1:S10-4.

17. Navarro-Peternella FM, Marcon SS. Qualidade de vida de indivíduos com Parkinson e sua relação com tempo de evolução e gravidade da doença. Rev Latinoam Enferm. 2012 Mar-Apr;20(2):384-91.

18. Silva JAMG, Dibai Filho AV, Faganello FR. Mensuração da qualidade de vida de indivíduos com a doença de Parkinson por meio do questionário PDQ-39. Fisioter Mov. 2011 Jan-Mar;24(1):141-6.

19. Folstein MF, Folstein SE, McHugh PR. "Mini-mental state": a practical method for grading the cognitive state of patients for the clinician. J Psychiatr Res. 1975 Nov;12(3):189-98.

20. de Mello MPB, Botelho ACG. Correlação das escalas de avaliação utilizadas na doença de Parkinson com aplicabilidade na fisioterapia. Fisioter Mov. 2001 Jan-Mar;23(1):121-7.

21. Hoehn MM, Yahr MD. Parkinsonism: onset, progression and mortality. Neurology. 1967 May;17(5):427-42.

22. Schenkman ML, Clark K, Xie T, Kuchibhatla M, Shinberg M, Ray L. Spinal movement and performance of a standing reach task in participants with and without Parkinson disease. Phys Ther. 2001 Aug;81(8):1400-11.

23. Lourenço RA, Veras RP. Mini-Exame do Estado Mental: características psicométricas em idosos ambulatoriais. Rev Saúde Pública. 2006;40(4):712-9.

24. Almeida OP. Mini exame do estado mental e o diagnóstico de demência no Brasil. Arq. Neuropsiquiatr. 1998 Sep;56(3B):605-12.

25. Bertolucci PH, Brucki SM, Campacci SR, Juliano Y. O mini-exame do estado mental em uma população geral: impacto da escolaridade. Arq Neuropsiquiatr. 1994;52:1-7.

26. Fracassi AS, Gatto AR, Weber S, Spadotto AA, Ribeiro PW, Schelp AO. Adaptação para a língua portuguesa e aplicação de protocolo de avaliação das disartrias de origem central em pacientes com doença de Parkinson. Rev CEFAC. 2011 Nov-Dec;13(6):1056-65.

27. Souza RG, Borges V, Silva SM, Ferraz HB. Quality of life scale in Parkinson's disease PDQ-39 - (Brazilian Portuguese version) to assess patients with and without levodopa motor fluctuation. Arq Neuropsiquiatr. 2007 Sep;65(3B):787-91.

28. Ferreira FV, Cielo CA, Trevisan ME. Aspectos respiratórios, posturais e vocais da doença de Parkinson: considerações teóricas. Rev CEFAC. 2011;13(3):534-40.

29. Parreira VF, Guedes LU, Quintão DG, Silveira EP, Tomich GM, Sampaio RF, et al. Padrão Respiratório em pacientes portadores da doença de Parkinson e em idosos assintomáticos. Acta Fisiátrica. 2003;10(2):61-6.

30. Lana RC, Álvares LMRS, Nasciutti-Prudente C, Goulart FRP, Teixeira-Salmela LF, Cardoso FE. Percepção da qualidade de vida de indivíduos com doença de Parkinson através do PDQ-39. Rev Bras Fisioter. 2007 Sep-Oct;11(5):397-402.


© 2019 All rights reserved