730
Views
Open Access Peer-Reviewed
Artigo Original

Efeitos do treino de equilíbrio e coordenação motora em idosos: ensaio clínico randomizado

Effects of training on balance and motor coordination in elderly: a randomized controlled trial

Juliana Perazzo Ferreira1; Vivianne Leite da Cruz2; Renata de Arruda Cardoso3; Fátima Natário Tedim de Sá Leite3; Catarina Maria Gonçalves Duarte4; Viviane Maciel Gouveia4

RESUMO

OBJETIVO: Avaliar os efeitos de um treinamento de equilíbrio e coordenação motora aplicado aos usuários de um projeto de reabilitação cardiopulmonar e metabólica (RCPM).
MÉTODOS: Trata-se de um ensaio clínico, randomizado e controlado, com a participação de dezesseis idosos (> 60 anos), usuários do Centro Médico Senador José Ermírio de Morais, em 2011, divididos, por sorteio cego, em um grupo controle que realizava o protocolo de rotina do projeto e um grupo experimental, sendo acrescido a esse protocolo o programa de treinamentode equilíbrio e coordenação baseado no método Ècole du Dos. Os participantes completaram doze semanas de intervenção, realizando-a três vezes por semana. Foram avaliados pelo teste Tinetti, Romberg Adaptado, Timed up and go e teste de Coordenação (AAHPERD).
RESULTADOS: Comparando os dois grupos, verificou-se um melhor desempenho do grupo experimental para os testes Tinetti equilíbrio, Romberg adaptado e teste de coordenação.
CONCLUSÃO: Um treinamento de equilíbrio e coordenação aplicado em idosos usuários da RCPM, realizado por doze semanas, mostrou-se efetivo na redução à probabilidade de quedas neste grupo.

Palavras-chave: Equilíbrio postural, exercício, acidentes por quedas, idoso.

ABSTRACT

OBJECTIVE: Evaluate the effects of training on balance and motor coordination applied to users of a cardiopulmonary and Metabolic Rehabilitation (CMR) project.
METHODS: It is randomized and controlled clinical trial, with the participation of sixteen elderlies (> 60 years), Senador José Ermírio de Morais Medical Centre patients in 2011. They were blinded sorted and divided into two groups: a control group, which performed the routine protocol of the project; and, an experimental group, which was added to a regular protocol of the training program in balance and coordination. The participants completed 12 weeks of intervention, performing it three times a week. They were evaluated by the tests: Tinetti, Adapted Romberg, Time Up and Go and coordination test (AAHPERD).
RESULTS: Comparing the two groups, the experimental one presented a better performance in Tinetti, Time Up and Go and coordination (AAHPERD) tests.
CONCLUSION: A balance and coordination training in elderly patients of the CMR, held for 12 weeks, proved efficiency in decreasing the falls probability in this group.

Keywords: Postural balance, exercise, accidental falls, aged.

INTRODUÇÃO

As quedas constituem um problema de saúde pública devido à alta taxa de suas mortalidade e morbidade resultante das consequências, assim como pelos elevados custos econômicos implicados.1 No Brasil, 30% dos idosos caem pelo menos uma vez por ano e, quanto maior a idade, mais elevada a chance de queda, sendo que 32% estão entre os 65 e os 74 anos, 35% entre os 75 e os 84 anos, e 51% acima dos 85 anos.2-4 As quedas ocorrem devido à perda de equilíbrio postural e tanto podem ser decorrentes de problemas primários do sistema osteomioarticular e/ou neurológico quanto de uma condição clínica adversa que afete secundariamente os mecanismos do equilíbrio e da estabilidade. Por isso, a queda, pode ser um evento sentinela, sinalizador do início do declínio da capacidade funcional, ou sintoma de uma nova doença.5,6.

O equilíbrio é um processo complexo que depende da integração da visão, da sensação vestibular e periférica, dos comandos centrais e das respostas neuromusculares e, particularmente, da força muscular e do tempo de reação.7 Para compreender o equilíbrio, é de extrema importância observar o sistema de controle postural e sua participação nas diversas tarefas motoras. Esse sistema é responsável por três funções básicas: suporte, estabilização e equilíbrio. Para evitar que o corpo caia no chão em virtude da gravidade, o controle postural assegura que os músculos apropriados sejam contraídos para suportar o corpo na posição ereta. A função de estabilização refere-se às tarefas dinâmicas em que é necessário estabilizar alguns segmentos corporais enquanto outros se movimentam. Por último, a estabilidade postural ou o equilíbrio é o estado em que todas as forças de movimento são balanceadas de modo que o corpo permaneça na orientação e no posicionamento desejados (equilíbrio estático) ou que se movimente de forma controlada (equilíbrio dinâmico).8,9

A coordenação é a interação harmoniosa e econômica do sistema musculoesquelético, do sistema nervoso e do sistema sensorial com o fim de produzir ações motoras precisas e equilibradas; e, reações adaptadas a situações que exigem adequada medida de força que determina a amplitude e a velocidade do movimento, uma apropriada seleção dos músculos que influenciam a condução e orientação do movimento e a capacidade de alternar rapidamente entre tensão e relaxamento muscular.10

As necessidades de equilíbrio e coordenação motora são fundamentais, sendo consideradas básicas para manter uma postura e realizar as múltiplas tarefas do dia a dia. O indivíduo, porém, terá de aprender a equilibrar-se em seus pés e a coordenar, eficientemente, seu corpo no espaço e no tempo, fato que acontece com a maturação do sistema nervoso, concomitantemente com o oferecimento de estímulos exógenos como forma de estímulo-resposta.11 Os fatores de controle motor do equilíbrio (tanto estático como dinâmico) e da coordenação (tanto a motora rudimentar quanto a visuo manual), em conjunto com o treinamento de capacidade aeróbia e treinamento resistido, são considerados determinantes do desempenho motor.12

Dessa forma, a implementação de um programa de exercícios físicos que melhore a coordenação, a força muscular e o equilíbrio, orientado de forma individualizada por profissional capacitado, é capaz de reduzir o risco de quedas.13,14 Esse tipo de intervenção também se revelou eficaz na prevenção de lesões provocadas por quedas em idosas institucionalizadas e em idosos mais frágeis, com déficit de força muscular e de equilíbrio.15,16

Sendo assim, o objetivo do estudo é avaliar os efeitos de um treinamento de equilíbrio e coordenação motora aplicado aos idosos usuários de um projeto de Reabilitação Cardiovascular, Pulmonar e Metabólica (Projeto Bom Dia) da Prefeitura da Cidade do Recife (PCR), que é conceituado como um conjunto de ações multidisciplinares, que visam a restabelecer a saúde em todas as facetas - social, psíquica, orgânica e laborativa - do ser humano.17

 

MÉTODOS

Trata-se de um ensaio clínico, randomizado e controlado, para testar a hipótese de que um programa de treinamento de equilíbrio e coordenação motora, sistematizado e supervisionado, reduziria a propensão de quedas em idosos. O trabalho apresentado foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa do Hospital Agamenon Magalhães (HAM), Recife, PE, com CAAE: 0004.0.236.000-11.

A amostra do estudo, selecionada intencionalmente, consistiu de 16 idosos entre 60 e 84 anos de idade, de ambos os gêneros, usuários do Projeto Bom Dia do Centro Médico Senador José Ermírio de Moraes, referência municipal no tratamento de hipertensão arterial e diabetes mellitus. Foram excluídos os usuários que apresentaram patologias que pudessem interferir na mobilidade física e marcha, assiduidade inferior a 75%, incapazes de fornecer consentimento informado, relutantes ou inaptos de participar de um programa de prevenção de quedas e os usuários inseridos em outros programas de atividade física ou reabilitação.

O recrutamento dos usuários foi realizado por meio de registros/prontuários a fim de captar os que se enquadrassem no perfil do grupo a ser estudado. Quando identificado algum usuário que preenchia os critérios de elegibilidade, este era informado sobre os objetivos da pesquisa e convidado a participar do estudo. Todos os voluntários da pesquisa foram esclarecidos sobre o propósito do projeto e assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE).

Os usuários eleitos foram divididos, por sorteio cego, em dois grupos: grupo - controle (GC), que realizava o protocolo de reabilitação cardiopulmonar e metabólica (Tabela 1); e, o grupo experimental (GE) sendo acrescido ao protocolo de rotina, o programa de treinamento de equilíbrio e coordenação motora.

 

 

A avaliação inicial incluiu uma anamnese com dados pessoais, informações sociais e comportamentais, medicamentos em uso, acompanhamento médico, fisioterápico, físico e nutricional; em seguida, os usuários participantes do estudo foram avaliados por meio do teste de Romberg adaptado18 (desempenho do equilíbrio estático), Timed up and go12 (equilíbrio dinâmico), teste de Tinetti12 (equilíbrio e marcha) e o teste de coordenação da bateria AAHPERD16 (American Alliance for Health, Physical Education, Recreation and Dance). Após a fase de avaliação, os usuários completaram doze semanas de atividades conforme seu protocolo, GC e GE, realizando-o três vezes por semana; seguido de reavaliações pós-intervenção.

Os usuários do GE foram convidados a participar de um programa de treinamento de equilíbrio e coordenação motora, baseado no conceito da Ècole du Dos (Escola da Coluna),19 método que vem sendo utilizado como forma de prevenção e tratamento das algias da coluna desde sua criação na Suécia, em 1969, contudo estudos sobre sua eficácia, na literatura, ainda são escassos. Tal método inclui exercícios no solo, ritmados e baseados nos planos retos, diagonais e rotacionais da coluna vertebral e visa à compreensão da relação da dor com o aumento de tensão mecânica na realização das atividades da vida diária. Nesse método, o usuário permaneceu no centro de um quadrante visualizando oito demarcações que facilitavam a realização desses planos de movimento; deslocou-se movendo seu centro de massa corporal, descarregando o peso nos planos ântero-posterior, látero-lateral e diagonais (Figura 1). Os exercícios foram realizados de forma progressiva, evoluindo semanalmente, pelo ritmo, planos de movimentos e a utilização, concomitante, dos membros superiores e inferiores.

 


Figura 1. Quadrante com as oito demarcações, para auxílio na realização dos planos de movimentos.

 

Os dados foram tabulados e, posteriormente, analisados, utilizando os softwares SPSS 13.0 para Windows e o Excel 2003.

As variavéis numéricas estão representadas pelas medidas de tendência central e medidas de dispersão. A comparação entre o Grupo Controle e o Grupo Experimental no momento inicial (1ª avaliação) foi realizada por intermédio do teste de Mann-Whitney, enquanto a comparação entre os momentos (1ª avaliação/2ª avaliação - teste de pareado) dos grupos-controle e experimental foi realizado pelo teste de Wilcoxon, sendo aplicado, para todos os testes, com 95% de confiança.20

 

RESULTADOS

O estudo apresentou limitações devido ao tamanho da amostra, porém todos os usuários do Centro Médico Senador José Ermírio de Moraes, participantes do Projeto Bom Dia, foram analisados de acordo com os critérios de inclusão, resultando em apenas vinte voluntários (Tabela 2). Durante o período de intervenção, quatro voluntários se desprenderam do estudo devido à assiduidade e negação à participação do treinamento de equilíbrio e coordenação motora. Contudo, reiteramos a relevância de que, apesar de a amostra ser pequena, intervenções como estas são bastante singulares.

 

 

Os resultados apresentados demonstraram as avaliações referentes ao teste de Tinetti, teste de Romberg adaptado, Timed up and go e o teste de coordenação da bateria AAHPERD em dois momentos, inicial (1ª avaliação - março de 2011) e final (2ª avaliação - junho 2011). Os dados podem ser visualizados nas Tabelas 3 e 4.

 

 

 

 

Quanto ao teste de Tinetti, visualiza-se uma diferença entre a 1ª e 2ª avaliação do grupo experimental para o valor do Tinetti teste de equilíbrio (p = 0,015*). Para a marcha não foi encontrada significância (p = 0,317).

Em relação ao Romberg adaptado, houve variação entre a 1ª e 2ª avaliação do grupo experimental (p = 0,028*). No momento inicial, quinze voluntários, sendo oito do GE e sete do GC, apresentaram teste positivo para perda de equilíbrio com olhos fechados, ou seja, mantiveram a postura em pé sem oscilações por um período < 30 s. No momento final dois voluntários do grupo experimental negativaram o teste, resultando em treze participantes com teste positivo.

Os voluntários do GE apresentaram a coordenação (AAHPERD) muito fraca na 1ª avaliação, passando para fraca (idosos entre 60 e 70 anos) e regular (70 e 79 anos) na 2ª avaliação (p = 0,012*).

 

DISCUSSÃO

O objetivo do estudo é avaliar os efeitos de um treinamento de equilíbrio e coordenação motora aplicado aos idosos usuários de um projeto de reabilitação cardiovascular, pulmonar e metabólica. Observou-se, neste estudo, uma influência positiva do programa de treinamento de equilíbrio e coordenação motora, realizado por doze semanas, sobre o desempenho do equilíbrio estático e dinâmico e da coordenação motora de usuários idosos, participantes do Projeto Bom Dia.

Intervenções multifatoriais são efetivas para redução de quedas em idosos da comunidade, com ou sem fatores de risco.3 Tais programas geralmente incluem exercícios físicos, além de pelo menos uma das seguintes estratégias: correção da visão e riscos ambientais, tratamento da hipotensão ortostática, revisão de medicamentos e aconselhamento sobre prevenção de quedas.4,13,17,21 Um estudo realizado na Austrália, avaliando mais de mil indivíduos com idade > 70 anos, mostrou que o exercício físico foi a intervenção isolada que mais reduziu a taxa anual de quedas em idosos, sendo esta redução ainda maior quando associado a outras intervenções.3

A prática regular de atividade física possui benefícios irrefutáveis para a saúde dos idosos, sendo comprovada a sua influência sobre a aptidão funcional.13 Corroborando com esta afirmação outros estudos confirmam essa relação7-9,12,22 e, de acordo com Kannus e Khan,23 esta prática regular pode melhorar a deambulação, o equilíbrio, a coordenação, a propriocepção, reação de tempo e força muscular, inclusive de indivíduos com mais de 60 anos. Esses autores demonstraram que exercícios de força e equilíbrio em mulheres com 80 anos ou mais reduziram a taxa de quedas em mais de 30%.

Rubenstein et al.,24 em seu estudo, demonstraram que um programa simples com exercícios resistidos pode melhorar a tonificação muscular, mobilidade funcional de idosos e, também, fornece uma evidência nova no relacionamento complexo entre a atividade física e as pessoas propensas a sofrerem quedas. Nesse estudo os participantes dos exercícios de resistência aumentaram significativamente a sua atividade física, mostrando em seus resultados que houve uma melhora significativa na pontuação do teste Tinetti marcha para o grupo exercício comparado com o controle. O estudo de Silva et al.12 mostra que idosos submetidos à prática de exercícios resistidos, também possuíram uma melhor pontuação no teste Tinetti marcha quando comparado ao grupo controle.

Outro estudo avaliou a probabilidade de quedas, equilíbrio, marcha e atividades de vida diária de quarenta idosos entre os 60 e 90 anos praticantes e não praticantes de atividade física; o resultado, para o teste Tinetti equilíbrio, mostra que dos vinte idosos praticantes de atividade física, dezesseis (80%) obtiveram a pontuação máxima, sendo considerados normais, e dos vinte não praticantes, apenas três (5%) obtiveram a pontuação máxima, sendo que 95% dos não praticantes de atividade física tiveram maior propensão a quedas.8 Referente ao treinamento, os resultados demonstraram que o GE apresentou diferença estatisticamente significativa no escore do teste Tinetti equilíbrio, quando comparado o momento inicial e o momento final, diferentemente do que ocorre com o GC, resultando em menor propensão a quedas para o GE. Em relação ao teste Tinetti marcha, não houve significância estatística entre os momentos inicial e final, porém todos os participantes apresentaram, em média, 85% do escore total, indicando boa habilidade física para ambos os grupos.

O Timed up and go possui uma grande relação com o equilíbrio, a velocidade da marcha e a capacidade funcional, ou seja, tudo o que está relacionado diretamente com a propensão para as quedas.12 Portanto, o tempo gasto para a realização do teste está diretamente associado ao nível da mobilidade funcional. Tempos reduzidos na realização do teste indicam idosos independentes quanto à mobilidade, já os idosos que o realizam em um tempo superior aos 20s tendem a ser mais dependentes nas suas tarefas diárias.23 Guimarães et al.9 utilizaram o teste Timed up and go para avaliar o nível de mobilidade funcional entre os idosos sedentários e os ativos, concluindo que os idosos que praticavam exercícios físicos utilizaram menor tempo para realização do teste quando comparados com os sedentários, algo que também foi encontrado em outros estudos.14 Comparando esses resultados com o presente estudo, para o Timed up and go, não houve diferença estatisticamente significativa, acredita-se que este fato se deve aos participantes já realizarem exercícios regularmente. Todos os voluntários do estudo, em média, permaneceram na mesma classificação (médio risco de quedas).

No que se refere ao equilíbrio, estudos utilizaram variados testes para avaliação de perda de equilíbrio dos indivíduos.4,25 Neste, optou-se pelo teste de Romberg adaptado devido à sua facilidade de aplicação clínica e também pelo caráter quantitativo que apresenta.

Lelard et al.26 realizaram um programa de treinamento de equilíbrio no controle postural estático, treinando e avaliando 28 idosos durante doze semanas, quanto ao controle postural, por meio da medição do centro de oscilação sob a condição de olhos abertos e olhos fechados. Em seu estudo, o tempo, no teste de Romberg, foi significativamente maior após o programa de treinamento de equilíbrio (p < 0,05). Corroborando com este resultado, o presente estudo também apresentou significância estatística quanto ao teste Romberg adaptado, observou-se um aumento, em média, de 30% no tempo de permanência na posição ortostática com olhos fechados, resultando em um melhor desempenho do equilíbrio estático do GE quando comparado ao GC, que não apresentou diferença estatisticamente significante.

A coordenação, outra variável deste estudo, também, foi avaliada por Ribeiro et al.16 por meio da bateria AAHPERD, com catorze idosas participantes do programa de ginástica nos centros de saúde, no período de 2006 a 2007. Em relação ao teste de coordenação, houve um aumento significativo no período de intervenção, que se manteve estável no período de pós-treino, e, quando comparadas a primeira e última avaliação, pôde-se observar um aumento significativo (p = 0,02), modificando a classificação da coordenação de muito fraca na primeira avaliação, progredindo para fraca na última avaliação. Quanto ao teste de coordenação, houve significância nos resultados para o GE. Inicialmente, os voluntários apresentaram a classificação muito fraca de coordenação, evoluindo, no momento final, para fraca (idosos entre 60 e 70 anos) e regular (70 a 79 anos). Mostra-se, desta forma, que esta intervenção, realizada regularmente, contribui para a melhora ou manutenção do nível de coordenação motora dos idosos, amenizando os efeitos do processo de envelhecimento nessa habilidade.

 

CONCLUSÃO

O envelhecimento populacional e o aumento da expectativa de vida demandam ações preventivas, as quais possam controlar os fatores de risco das quedas e promovam medidas que visem à participação dessa população à prática de exercício físico. Diante dos dados apresentados, pode-se observar que um treinamento de equilíbrio e coordenação motora aplicado em idosos usuários de um projeto de reabilitação cardiovascular, pulmonar e metabólica, em um período de doze semanas, mostrou-se favorável na melhora do equilíbrio estático e dinâmico e na coordenação, apresentando menores propensões a quedas, quando comparados aos idosos que não participaram desta atividade. Estudos longitudinais ou com uma amostra maior são sugeridos para melhor compreensão deste achado.

 

REFERÊNCIAS

1. Lustosa LP, Bastos EO. Fraturas proximais do fêmur em idosos: qual o melhor tratamento? Acta Ortop Bras. 2009;17(5):309-12.

2. Conroy S, Kendrick D, Harwood R, Gladman J, Coupland C, Sach T, et al. A multicentre randomised controlled trial of day hospital-based falls prevention programme for a screened population of community-dwelling older people at high risk of falls. Age Ageing. 2010;39(6):704-10.

3. Day L, Fildes B, Gordon I, Fitzharris M, Flamer H, Lord S. Randomised factorial trial of falls prevention among older people living in their own homes. BMJ. 2002;325(7356):128.

4. Fabrício SC, Rodrigues RA, da Costa ML Jr. Falls among older adults seen at a São Paulo State public hospital: causes and consequences. Rev Saude Publica. 2004;38(1):93-9.

5. Buksman S, Vilela ALS, Pereira SEM, Lino VS, Santos VH. Projeto e Diretrizes. Quedas em Idosos: Prevenção. São Paulo: Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia; 2008.

6. Morgan RO, Virnig BA, Duque M, Abdel-Moty E, Devito CA. Low-intensity exercise and reduction of the risk for falls among at-risk elders. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2004;59(10):1062-7.

7. Overstall PW. The use of balance training in elderly people with falls. Rev Clin Gerontol. 2003;13:153-61 8. Figliolino JAM, Morais TB, Berbel AM, Corso SD. Análise da influência de exercício físico em idosos com relação a equilíbrio, marcha e atividade de vida diária. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2009;12(2):227-238.

9. Guimarães LHCT, Galdino DCA, Martins FLM, Vitorino DFM, Pereira KL, Carvalho EM. Comparação da propensão de quedas entre idosos que praticam atividade física e idosos sedentários. Rev Neurociências. 2004;12(2):68-72.

10. Lopes VP, Maia JAR, Silva RG, Seabra A, Morais FP. Estudo do nível de desenvolvimento da coordenação motora da população escolar (6 a 10 anos de idade) da Região Autônoma dos Açores. Rev Port de Ciên do Desporto 2003;3(1):47-60.

11. Faria JC, Machala CC, Dias RS, Dias JMDD. Importância do treinamento de força na reabilitação da função muscular, equilíbrio e mobilidade de idosos. Acta Fisiatr. 2003;10(3):133-7.

12. Silva A, Almeida GJM, Cassilhas RC, Cohen M, Peccin MS, Tufik S, et al. Equilíbrio, coordenação e agilidade de idosos submetidos à prática de exercícios físicos resistidos. Rev Bras Med Esporte. 2008;14(2):88-93.

13. Gillespie LD, Gillespie WJ, Robertson MC, Lamb SE, Cumming RG, Rowe BH. WITHDRAWN: Interventions for preventing falls in elderly people. Cochrane Database Syst Rev. 2009;(2):CD000340.

14. Pedrinelli A, Garcez-Leme LE, Nobre RSA. O efeito da atividade física no aparelho locomotor do idoso. Rev Bras Ortop. 2009;44(2):96-101.

15. Cumming RG, Ivers R, Clemson L, Cullen J, Hayes MF, Tanzer M, Mitchell P. Improving vision to prevent falls in frail older people: a randomized trial. J Am Geriatr Soc. 2007;55(2):175-81.

16. Ribeiro DP, Mazo GZ, Brust C, Cardoso AS, Silva AH, Benedetti TRB. Programa de ginástica para idosos nos centros de saúde: avaliação da aptidão funcional. Fisioter Mov. 2009;22(3):407-417.

17. Carvalho T, Cortez AA, Ferraz A, Nóbrega ACL, Brunetto AF, Herdy AH, et al. Reabilitação cardiopulmonar e metabólica: aspectos práticos e responsabilidade. Rev Bras Med Esporte. 2005;11(6):313-8.

18. Lord SR, Sherrington C, Menz HB, Close JCT. Falls in older people: risk factors and strategies for prevention. 2nd ed. Cambrigde, Cambridge University Press, 2007.

19. Andrade SC, Araújo AGR, Vilar MJP. Escola da Coluna: revisão histórica e sua aplicação na lombalgia crônica. Rev Bras Reumatol. 2005;45(4):224-8.

20. Vieira, S.Introdução a Bioestatística. 4.ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2008.

21. Tucker MG, Kavanagh JJ, Morrison S, Barrett RS. Voluntary sway and rapid orthogonal transitions of voluntary sway in young adults, and low and high fall-risk older adults. Clin Biomech (Bristol, Avon). 2009;24(8):597-605.

22. Zambaldi PA, Costa TA, Diniz GC, Scalzo PL. Efeito de um treinamento de equilíbrio em um grupo de mulheres idosas da comunidade: estudo piloto de uma abordagem espeocífica, não sistematizada e breve. Acta Fisiatr. 2007;14(1):17-24.

23. Kannus P, Khan KM. Prevention of falls and subsequent injuries in elderly people: a long way to go in both research and practice. CMAJ. 2001;165(5):587-8.

24. Rubenstein LZ, Josephson KR, Trueblood PR, Loy S, Harker JO, Pietruszka FM et al. Effects of a group exercise program on strength, mobility, and falls among fall-prone elderly men. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2000;55(6):M317-21.

25. Morrison S, Colberg SR, Mariano M, Parson HK, Vinik AI. Balance training reduces falls risk in older individuals with type 2 diabetes. Diabetes Care. 2010;33(4):748-50.

26. Lelard T, Doutrellot PL, David P, Ahmaidi S. Effects of a 12-week Tai Chi Chuan program versus a balance training program on postural control and walking ability in older people. Arch Phys Med Rehabil. 2010;91(1):9-14.


© 2019 All rights reserved