1380
Views
Open Access Peer-Reviewed
Artigo Original

Avaliação das unidades de alimentação e nutrição em instituições de longa permanência para idosos

Evaluation of food and nutrition unities in homes for the aged

Jamile Almeida Lopesa,b; Ingrid Cardoso Fidelesb,c; Adriana Lima Mellob,c; Anna Karla Carneiro Rorizb,c; Vanessa Everlin Matos Fariab,c; Magali Teresópolis Reis Amarald,e; Lílian Ramos Sampaioa,b

RESUMO

OBJETIVO: Avaliar as condições estruturais e higiênico-sanitárias das Unidades de Alimentação e Nutrição (UAN) nas instituições de longa permanência para idosos (ILPI) na cidade de Salvador, Bahia.
MÉTODOS: Utilizou-se o instrumento adaptado da lista de verificação das Boas Práticas de Fabricação - checklist, da RDC nº 275/02. Os itens avaliados subdividiram-se em cinco blocos e as ILPI foram classificadas segundo o percentual de atendimento dos itens investigados.
RESULTADOS: Das 14 ILPI avaliadas, apenas uma atingiu adequação em mais de 75% dos itens analisados, e a grande maioria das instituições atendeu a menos de 50% dos itens da lista de verificação. O bloco 5, referente à documentação das boas práticas, apresentou 79,5% de não conformidade, seguido pelo bloco 3, dos manipuladores, com 56,1%, evidenciando a necessidade da oferta de treinamento em boas práticas. A ausência de nutricionista foi identificada na maioria das ILPI.
CONCLUSÃO: Grande parte das UAN avaliadas apresentou aspectos estruturais e higiênico-sanitários inadequados, o que poderá influenciar no estado de saúde e nutrição dos idosos. Há necessidade de elaboração e validação de um checklist específico para as ILPI.

Palavras-chave: Checklist. Instituições de longa permanência para idosos. Legislação sobre alimentos.

ABSTRACT

OBJECTIVE: This study had the objective of evaluating the structural and hygienic and sanitary conditions of Food and Nutrition Unities (FNUs) in Homes for the Aged (HAs) on the City of Salvador-Ba.
METHODS: For data collection was used the instrument adapted from the Check List of Good Manufacturing Practices of RDC number 275/02. The evaluated items were subdivided in 5 blocks and the LTEIs were classified according to assistance percentage of the investigated items.
RESULTS: From the 14 evaluated HAs, only one was classified in group 1, reaching adequacy in more than 75% of the analyzed items and the majority of institutions complied with less than 50% of the checklist items. Block 5 referring to Good Practices documentation had higher noncompliance value with 79.50%, followed by Block 3, of handlers, with 56.10%, evidencing the need to offer training in good practices. The absence of the professional nutritionist was identified in most of the HAs.
CONCLUSION: Most of the evaluated FNUs had inadequate structural and hygienic and sanitary aspects, which may influence the health and nutritional state of the elderly. It is needed to elaborate and validate an specific check-list for HAs.

Keywords: Checklist. Homes for the Aged. Food legislation

INTRODUÇÃO

O cenário caracterizado pelo envelhecimento das populações configura um importante desafio a ser cumprido pelos serviços de saúde e pela sociedade, principalmente nos países em desenvolvimento. No Brasil, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de idosos passou de 15,5 milhões, em 2001, para 23,5 milhões em 2011, correspondendo a 24,5% da população brasileira com 60 anos ou mais.1-4

O aumento na expectativa de vida, aliado à nova estrutura das famílias brasileiras (com redução do número de membros), a inserção da mulher no mercado de trabalho e seu acúmulo de funções têm propiciado a oferta e demanda crescentes de instituições de longa permanência para idosos (ILPI).5,6

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa),7 ILPI são instituições governamentais ou não governamentais, de caráter residencial, destinadas a domicílio coletivo de pessoas com idade igual ou superior a 60 anos, com ou sem suporte familiar, em condição de liberdade, dignidade e cidadania.

Dos aspectos que devem ser considerados com relação à atenção à saúde dos idosos institucionalizados, a nutrição requer destaque, uma vez que parece ser influenciada pelas modificações sociais, econômicas, psicológicas e pela alimentação ofertada nas instituições, a qual pode interferir na qualidade de vida dos indivíduos, bem como na sua reabilitação a curto prazo.8,9

Nesse contexto, a qualidade da alimentação oferecida aos idosos institucionalizados é um dos fatores determinantes da sua condição de saúde, sobretudo porque, nessa fase, ocorrem mudanças fisiológicas importantes e maior índice de morbidade.10,11 De acordo com a Portaria nº 810/89, do Ministério da Saúde, que estabelece normas para o funcionamento de instituições destinadas ao atendimento de idosos, a produção das refeições oferecidas a eles é de responsabilidade da própria instituição,12 considerando os aspectos culturais locais e todas as etapas da cadeia produtiva da UAN (manipulação, preparação, fracionamento, armazenamento e distribuição).13

A avaliação das condições estruturais e higiênico-sanitárias pode ser feita por meio da lista de verificação das Boas Práticas, mais conhecida como checklist, da RDC nº 275/02,14 a qual permite o levantamento dos pontos que apresentam inconformidade, facilitando, assim, a tomada de decisões, medidas de prevenção e correção necessárias que possam, de alguma forma, comprometer a qualidade dos alimentos e, consequentemente, a saúde da coletividade.15,16 Diante do exposto, este artigo objetiva avaliar as condições estruturais e higiênicosanitárias das UAN das ILPI na cidade de Salvador, Bahia.

 

MÉTODOS

Este artigo trata-se de um estudo transversal, parte de um projeto maior intitulado "Avaliação Multidimensional dos Idosos Residentes em Instituições de Longa Permanência na cidade de Salvador-BA", com coleta de dados primários em ILPI públicas e privadas e situadas na zona urbana de Salvador.

Das 18 instituições selecionadas, 14 participaram do presente estudo, representando oito distritos sanitários dos 10 em Salvador que possuem ILPI. Houve a recusa de duas instituições; duas outras foram excluídas, pois o preparo da alimentação era realizado fora dali, por uma empresa terceirizada.

A coleta de dados foi realizada nas UAN das ILPI entre os meses de novembro de 2012 e outubro de 2013, pela equipe do Centro de Estudo e Intervenção na Área de Envelhecimento (CEIAE) da Universidade Federal da Bahia.

Foi utilizada a lista de verificação das Boas Práticas de Fabricação em estabelecimentos produtores/industrializadores de alimentos - mais popularmente conhecida como checklist, que compõe a RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002,14 adaptada para ser aplicada nas ILPI neste estudo. O checklist foi aplicado por meio de visitas periódicas realizadas nas instituições por nutricionista e estagiários de Nutrição, com a complementação de anotações feitas por observações das condições estruturais, da cadeia produtiva das refeições nas UAN e entrevistas com responsáveis pela instituição para obter algumas informações impossíveis de serem obtidas apenas pela observação da área física.

Nesse checklist adaptado, não foram incluídos os itens 4.3, 4.5 e 5.2.8 e seus subitens por não serem pertinentes para ILPI. As opções de respostas foram SIM, quando o item foi conforme; NÃO, quando o item não foi conforme e NÃO SE APLICA, nos casos em que o quesito não se fez presente na ILPI.

Sendo assim, foram avaliados 148 itens divididos em cinco blocos: bloco 1 - Edificações e Instalações (79 itens); bloco 2 - Equipamentos, Móveis e Utensílios (21 itens); bloco 3 - Manipuladores (14 itens); bloco 4 - Produção e Transporte do Alimento (19 itens); e bloco 5 - Documentação (15 itens). Para cada instituição foi utilizada a seguinte fórmula, para a obtenção do percentual de atendimento às normas:17

Conforme atendimento dos itens investigados, as ILPI foram classificadas em: grupo 1 (76-100% de atendimento); grupo 2 (51-75% de atendimento); grupo 3 (0-50% de atendimento), conforme critérios estabelecidos pela RDC nº 275/2002.14

Todos os dados foram processados com o auxílio do Programa Microsoft Excel versão 2007 e apresentados sob a forma de frequência simples. Este trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética da Escola de Nutrição da UFBA (CEPNUT), registrado sob o nº 11/12.

Para a realização do estudo, foi solicitada previamente a autorização das ILPI, concedida por seus respectivos diretores e/ou responsáveis administrativos. Todos os dados foram devolvidos às instituições sob a forma de relatórios impressos, apresentações e discussões presenciais.

 

RESULTADOS

As 14 UAN avaliadas foram codificadas para fins de apresentação dos resultados com letras do alfabeto de A a N. Os percentuais de adequação e classificação das UAN das ILPI, segundo checklist, são apresentados na Tabela 1.

 

 

Com relação à natureza jurídica, as ILPI foram classificadas em Instituição Filantrópica Religiosa (1 ILPI), Filantrópicas Leigas (4 ILIPs) e Privadas (9 ILPIs).18

Os percentuais de adequação das UAN analisadas variaram de 19 a 78,4%, com média de 48,32%. As UAN das instituições B, I e N foram as que apresentaram piores resultados, atingindo valores de 29,7; 23,3 e 19%, respectivamente. Essas UAN foram as que menos atenderam aos itens do checklist aplicado. A instituição D foi a que apresentou maior percentual de adequação dos itens avaliados, com 78,4% (Tabela 1). Essa instituição é de caráter privado e possui nutricionista como responsável técnico em período integral.

De acordo com a porcentagem de atendimento aos itens analisados, observa-se que 57,2% das instituições avaliadas se encontravam no grupo 3, o que significa que atendiam a menos de 50% das especificações previstas nas normas da legislação, seguida por 35,7% no grupo 2 e 7,1% no grupo 1, representado por apenas uma instituição, atendendo de 76 a 100% das especificações, considerado ideal para um serviço de alimentação e nutrição.

De acordo com a natureza jurídica, as Instituições Filantrópicas Leigas apresentaram percentual de adequação entre 0 e 50% (grupo 3) e a Instituição Filantrópica Religiosa no grupo 2. Entre as Instituições Privadas, 44,4% faziam parte dos grupos 3 e 2 e apenas 11,2% do grupo 1.

Buscando uma melhor caracterização dos resultados com relação à adequação das UAN, os dados foram analisados em função dos blocos de categorização dos itens avaliados, conforme Figura 1. Nele, foi possível observar que o bloco 2, que trata da avaliação dos equipamentos, móveis e utensílios, foi o que apresentou maior percentual médio de conformidade, obtendo 59,2% de adequação. Na maioria das instituições avaliadas, foi possível observar equipamentos de fácil manuseio e conservação. Em contrapartida, as inadequações mais frequentes foram observadas nos blocos 3 e 5.

 


Figura 1 Percentual de conformidade dos blocos de itens avaliados do checklist nas unidades de alimentação e nutrição das ILPI. Salvador, BA. 2013.

 

O bloco 3, referente aos manipuladores, apresentou 56,1% de inconformidade. Observou-se que os manipuladores conversavam e por vezes cantavam durante a manipulação dos alimentos, utilizavam adornos, não realizavam lavagem das mãos na troca de atividades, e, na maioria das instituições, os manipuladores não faziam uso de uniforme adequado para a atividade e nem de equipamentos de proteção individual (EPI). Além disso, observou-se que a maioria das instituições não disponibilizava material educativo acerca da higienização das mãos e não havia programas de capacitação nem a supervisão de um responsável técnico. Metade das instituições visitadas não realizava acompanhamento do estado de saúde dos manipuladores.

O bloco 5, referente à documentação relacionada às boas práticas de manipulação, com a inclusão do Manual de Boas Práticas (MBP) e Procedimentos Operacionais Padronizados (POP), foi o que apresentou maior valor de inconformidade (79,5%). Do total das instituições visitadas, apenas quatro possuíam MBP e POP, sendo que três apresentaram os POP incompletos (Figura 1).

Quanto à questão estrutural referente ao bloco 1 (Edificações e Instalações), a maioria das UAN estava instalada em cozinhas do tipo domésticas adaptadas e sem divisão por setores. Verificou-se ausência ou insatisfatório sistema de drenagem, falta de lavatórios para a prática de higienização das mãos pelos funcionários, presença de danos estruturais nos revestimentos como pisos quebrados ou rachados, tetos e paredes com rachaduras, inexistência de cantos arredondados nas arestas das paredes, ausência de telas milimetradas na maioria das aberturas de ventilação e acesso comum para a habitação e a área de produção das refeições.

Ainda em relação às edificações e instalações, a maioria das UAN estava localizada no pavimento térreo, considerado o local preferencial devido à facilidade de acesso dos fornecedores, manutenção de equipamentos e remoção do lixo.

Quanto ao item produção e transporte dos alimentos, referente ao bloco 4, foram observadas algumas irregularidades. Constatou-se falta de separação dos locais para pré-preparo e preparo dos alimentos - aspecto verificado em 85,71% das instituições, que apresentavam área de produção única, ou seja, sem divisão dos setores, o que não proporcionava um fluxo de produção ordenado, linear e sem cruzamentos. Observou-se também falta de controle de qualidade do produto final em 64,28% das unidades estudadas. De todas as instituições, 94,85% não realizavam a retirada de amostra das preparações para análise. Outras inconformidades observadas nesse bloco foram a falta de inspeção e controle de temperatura das matérias-primas no recebimento e a falta de controle da circulação e do acesso de outras pessoas que não fazem parte do quadro responsável pela produção das refeições.

 

DISCUSSÃO

Esta pesquisa é um estudo inédito com amostra representativa das ILPI de uma capital brasileira no qual foram avaliadas as condições estruturais e higiênico-sanitárias das UAN dessas instituições.

Medidas de prevenção e controle devem ser adotadas durante todas as etapas da produção para garantir que os alimentos produzidos estejam seguros para o consumo por meio das Boas Práticas de Fabricação (BPF).15 Neste estudo, observou-se que o grau de atendimento às BPF, na maioria das instituições, estava aquém do preconizado pela Anvisa.14

Toral et al.,20 ao analisarem cinco ILPI localizadas no Distrito Federal, encontraram resultados inferiores a 75% de adequação para todas as instituições avaliadas nos itens relacionados às condições estruturais e ambientais do setor de produção. Com relação à adequação das condições de higiene, foi verificada uma variação entre 0 e 75%, ressaltando que somente uma unidade alcançou o maior percentual.

Entre os itens analisados no bloco 1, de edificações e instalações, no presente estudo, 47,7% atendiam aos pré-requisitos da legislação vigente. Embora tendo avaliado apenas uma instituição, outros autores1 verificaram conformidade em 53,7% dos itens desse bloco.

A maioria das UAN das instituições avaliadas neste estudo é resultado de adaptações de casas já existentes, apresentando cozinhas domésticas, o que justifica muitas das irregularidades discutidas no quesito edificações e instalações. Por esse motivo, as ILPI não apresentavam acesso direto às UAN, mas sim comum à habitação, o que favorece o aumento do risco de contaminação de alimentos e influencia no estado de saúde e nutrição dos idosos. Viana,21 após avaliação das UAN em 36 ILPI na cidade de São Paulo, verificou que as áreas de produção caracterizavam-se em sua totalidade pela existência de "cômodos únicos", também denominados cozinha, e que não apresentavam uma separação física das áreas de preparo.

O bloco referente a equipamentos, móveis e utensílios foi o que apresentou maior número de itens adequados à legislação, com 59,2%. Isso pode ser justificado principalmente pelas características de produção nessas instituições, que, em geral, apresentavam um número pequeno de refeições, com uma média de 183 ao dia por instituição, não demandando grande quantidade de equipamentos para atendimento às necessidades da produção. Esses resultados refletem que, em geral, as instituições avaliadas atendem às exigências da RDC nº 216/04, a qual preconiza que esses itens devem ser mantidos em condições higiênico-sanitárias adequadas, e as operações de higienização devem ser realizadas por funcionários com capacitação comprovada.22

O bloco 3, dos manipuladores, foi um dos blocos que apresentou maior número de inconformidade, sobretudo quanto aos cuidados higiênico-sanitários, o que caracteriza risco de contaminação dos alimentos. Muitas dessas inadequações também foram evidenciadas no estudo de Semprebom et al.,1 como a falta de treinamento quanto às BPF e não padronização dos uniformes dos funcionários. Viana21 também verificou que 82,9% das instituições não ofereciam treinamento nas UAN.

Quanto à produção e transporte do alimento, referente ao bloco 4, a área única para pré-preparo e preparo dos alimentos foi um dos itens que mais contribuiu para a baixa pontuação, comprometendo o fluxo de produção como um todo. Isso é reflexo, mais uma vez, da adaptação das ILPI em casas antigas e que, portanto, não foram projetadas para esse tipo de atividade. No que se refere ao controle de qualidade do produto final e retirada de amostra, acredita-se que a ausência de nutricionista, inexistência de treinamentos, capacitação ou mesmo um programa de educação continuada, contribuam para o resultado insatisfatório desses itens. A presença de nutricionista foi encontrada em apenas três das 14 instituições avaliadas neste estudo. Toral et al.20 identificou a ausência de nutricionista em todas as instituições avaliadas. Viana21 verificou a presença de apenas 11 nutricionistas em 117 instituições estudadas. Outros estudos também tiveram resultados semelhantes,23,24 o que sugere uma maior probabilidade de inadequação quanto à legislação e às recomendações nutricionais preconizadas para indivíduos idosos.

O nutricionista é o responsável por elaborar, acompanhar e supervisionar o MBP e os POP, documentos formais da UAN, em que são descritos os procedimentos para as diferentes etapas de produção de alimentos e refeições e prestação de serviço de nutrição, além das especificações dos padrões de identidade e qualidade adotados pelo serviço, evitando erros.25 Ademais, cabe a esse profissional adequar a alimentação a todas as necessidades inerentes à idade e às especificidades individuais, elaboração de cardápios e coordenação do setor de produção.

Portanto, este estudo evidenciou que a maioria das UAN das ILPI visitadas apresentou aspectos estruturais e higiênico-sanitários inadequados. Constatou-se ainda a falta de capacitação e qualificação dos manipuladores de alimentos e, principalmente, a ausência do profissional de Nutrição. A alimentação segura do ponto de vista nutricional e higiênico-sanitária nas instituições geriátricas necessita ser garantida e os órgãos sanitários possuem papel fundamental na geração de ações que promovam a melhoria do setor de alimentação e nutrição, fortalecendo o binômio dieta/saúde.

Por fim, a elaboração de um checklist específico para avaliação em instituições é recomendada, evitando-se, assim, ajustes inadequados dos itens existentes e ausência de aspectos inerentes ao processo de produção de alimentação nesse ambiente.

A escassez de trabalhos que avaliaram as condições higiênico-sanitárias de UAN das ILPI limitou as possibilidades de comparação dos resultados encontrados.

 

CONCLUSÃO

A maioria das UAN avaliadas apresentou aspectos estruturais e higiênico-sanitários inadequados, o que poderá influenciar no estado de saúde e nutrição dos idosos.

 

CONFLITO DE INTERESSE

Os autores declaram não haver potenciais conflitos de interesse.

 

REFERÊNCIAS

1. Semprebom KA, Ribeiro CSG. Análise da estrutura física, operacional e organizacional de uma Unidade de Alimentação e Nutrição de uma Instituição Geriátrica, Maringá, PR. Nutrire Rev Soc Bras Aliment Nutr. 2005;30:53-65.

2. Siqueira RL, Botelho MIV, Coelho FMG. A velhice: algumas considerações teóricas e conceituais. Cien Saude Colet. 2002;7(4):899-906.

3. Camarano AA, Kanso S. As instituições de longa permanência para idosos no Brasil. R Bras Est Pop. 2010;27(1):233-35.

4. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais: uma análise da condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro, 2012.

5. Pollo SHL, Assis M. Instituições de longa permanência para idosos - ILPIS: desafios e alternativas no município do Rio de Janeiro. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2008;11(1):29-44.

6. Camarano AA, Kanso S. Envelhecimento da população brasileira: uma contribuição demográfica. [Mimeografado]. 2010.

7. Resolução RDC nº 283 Dispõe sobre regulamento técnico que define normas de funcionamento para as Instituições de Longa Permanência para Idosos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília (DF): 27 set. 2005. Seção 1, p. 58-9.

8. Morley JE, Silver AJ. Nutritional issues in nursing home. Ann Intern Med. 1995 Dec 1;123(11):850-9.

9. Galesi LF, Lorenzetti C, Oliveira MRM, Fogaça KCP, Merhi VL. Perfil alimentar e nutricional de idosos residentes em moradias individuais numa instituição de longa permanência no Leste do Estado de São Paulo. Alim Nutr. 2008 Jul-Sep;19(3):283-90.

10. Frank AA, Soares EA. Nutrição no envelhecer. 1.ed. São Paulo: Atheneu;2002.

11. Cardoso MGV. Alimentação e estado nutricional de idosos residentes em instituições asilares de dois Municípios do Sul de Minas Gerais [dissertação]. Minas Gerais: Universidade Federal de Lavras; 2004.

12. Portaria nº 810 Aprova as normas e os padrões para o funcionamento de casas de repouso, clínicas geriátricas e outras instituições destinadas ao atendimento de idosos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília (DF): 27 set. 1989. Seção 1, p. 17297-8.

13. Secretária do Estado de Saúde. Superintendência de Vigilância em Saúde. Diretoria de Vigilância Sanitária. Segurança Sanitária para Instituições de Longa Permanência para Idosos. 2.ed. Estado de Santa Catarina, Outubro, 2009.

14. RDC nº 275/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação de Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília (DF): 23 out. 2002.

15. Genta TMS, Maurício AA, Matioli G. Avaliação das boas práticas através de checklist aplicado em restaurantes self-service da região central de Maringá, Estado do Paraná. Acta Sci Health Sci. 2005;27(2):151-6.

16. Gomes MFFA. Unidades produtoras de refeições dos meios de hospedagem de Maceió: avaliação dos requisitos de boas práticas na manipulação de alimentos [dissertação]. Universidade Federal de Alagoas: Faculdade de Nutrição; 2011.

17. Rossi CF. Condições higiênico-sanitárias de restaurantes do tipo self-service de Belo Horizonte - MG [dissertação]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2006.

18. Camarano AA. Cuidados de longa duração para a população idosa: um novo risco social a ser assumido? Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; 2010. p. 93-122.

19. Machado AD, Strapazon MA, Massing LT, Moreira DG, Possamai GA, Gabriel CM, et al. Condições higiênico-sanitárias nos serviços de alimentação de Organizações Não Governamentais de Toledo/PR. Nutrire Rev Soc Bras Aliment Nutr. 2009 Dec;34(3):141-51.

20. Toral N, Gubert MB, Schimitz BAS. Perfil da alimentação oferecida em instituições geriátricas do Distrito Federal. Rev Nutr. 2006 Jan-Feb;19(1):29-37.

21. Viana IC. Unidades de Alimentação e Nutrição (UANs) de Instituições Geriátricas: estrutura física, operacional e organizacional [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública; 2000.

22. RDC nº 216/2004 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília (DF), 2004.

23. Marucci MFN. Avaliação das dietas oferecidas em instituições para idosos localizadas no município de São Paulo [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo; 1985.

24. Piloto AA, Nunes ATGL, Assis M, Frias SR. O asilo na cidade do Rio de Janeiro. Gerontologia. 1998 Mar;6(1):7-12.

25. CFN nº 380/2005 Dispõe sobre a definição das áreas de atuação do nutricionista e suas atribuições, estabelece parâmetros numéricos de referência por área de atuação e dá outras providências. Conselho Federal de Nutricionistas. Brasília (DF), 2005.


© 2019 All rights reserved